«

»

ago 14

Marcando a nossa geração

Tiba – Manhã

“Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” Mateus 5:13-16

“Gerações vêm e gerações vão, mas a terra permanece para sempre”. Eclesiastes 1.s 1-4

INTRODUÇÃO:

Quanto dura uma geração? Algumas pessoas se dão ao trabalho de fazer cálculos, estudos, teorias sobre quanto tempo dura uma geração. Independente do número de anos que seja uma geração, o mais importante é que devemos passar por uma geração deixando algum tipo de marca. Nossa geração pode ser daquela que produz marcas, sejam elas positivas ou não, e ainda pode ser daquela que não produz nada, e nesse sentido é pior que produzir marcas negativas. Devemos deixar nossas marcas na nossa geração. As marcas podem ser positivas ou negativas. Nós sempre vamos influenciar a sociedade em que vivemos. A percepção do escritor de Eclesiastes é terrível, pois ele percebe que os tempos se passavam e nada mudava. Tudo permanecia igual, nenhum vestígio de mudanças, positivas ou não foi deixado.  Quero falar de três formas de se passar por uma geração. Essas formas são em linhas gerais, entretanto, em algum aspecto nos enquadraremos em alguma delas.

I – A GERAÇÃO QUE PASSA E NÃO DEIXA MARCAS

É a geração dos anônimos; dos que passam despercebidos pela sociedade em que vivem; é a geração dos que não querem se comprometer e que preferem ser totalmente alienados de tudo e de todos. Para eles, tudo está bom, mas quando tudo está ruim, eles também não fazem absolutamente nada para mudar a situação. Não há luta, não há esforço, não hã incômodo; Preferem se acomodar a buscar novas experiências. Essa geração é individualista, fria e egoísta.

O resultado de uma geração como esta é que ela passará e ninguém se lembrará dela, por um simples motivo: não há fatos que sejam dignos de se trazer a lembrança.

Essa geração está na contramão do que Paulo dia em Romanos 12: 2. Precisamos estar inconformados com o que o mundo nos apresenta, renovando nossa mente, para que então experimentemos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Nosso papel não é de conformismo. Nós fomos chamados para deixar uma boa marca, uma boa impressão através de nossas atitudes.

II – A GERAÇÃO QUE PASSA E DEIXA MARCAS NEGATIVAS

É a geração que escolheu a pior forma de deixar marcas. Suas marcas causam vergonha, dor, medo, desespero em quem se lembra delas.  É uma geração de marcas que não medem suas conseqüências e simplesmente agem como se a única pessoa que existisse no mundo fosse ele próprio.

Eles se embriagam se drogam, matam, roubam, seqüestram, traficam, se corrompem, são desonestos… A marca dessa geração pode ser resumida em três palavras: miséria, dor e sofrimento. Se essa miséria, dor e sofrimento fossem somente para quem deixou marca, seria ruim, mas se torna maior ainda quando percebemos que elas atingem a uma coletividade.

De que forma vamos marcar nossa geração? É preciso que marquemos de forma positiva. Devemos evitar a todo custo ser motivos de lembranças de vergonha dor e medo. Para isso precisamos repensar de que forma estamos sendo construídos e se for preciso, sermos desconstruídos e feitos novamente.

III – A GERAÇÃO QUE PASSA E DEIXA MARCAS POSITIVAS.

É a geração dos que não se conformam com a mesmice. Estão insatisfeitos, de forma positiva, no desejo de que o que está ruim se transforme para o melhor. Quando há um erro, há uma reação a este erro. Quando percebe que algo é desagradável, não conseguem ficar inertes diante da situação, mas se transformam em agentes de mudanças. Tratam as coisas santas com zelo. Mesmo tendo medos e receios, eles partem para a luta franca e travada, pois sabem que não serão derrotados.

Há nessa geração uma busca total pela sabedoria, sonhando e planejando de forma a construírem o que seus sonhos descrevem. Essa geração cuida bem do tempo de modo que o tempo é visto como uma ferramenta de transformação. (Efésios 5: 15-16). Essa é uma geração comprometida e preocupada com sua própria geração.

Essa geração tem um propósito, uma meta, um alvo. Não lutam sem estratégias, pois sabem que para chegar ao final da carreira devem estar preparados. (1 Coríntios 9: 24-27). Devemos correr e lutar com alvos, às vezes com o sacrifício do corpo para não ser reprovado.

CONCLUSÃO

O que Deus quer é que deixemos marcas e boa impressão na nossa geração. Nós fomos chamados para influenciar. Somos sal ta terra e luz do mundo. Estamos sendo desafiados a não entender que nossa história já está escrita, mas a sermos agentes de mudanças na nossa sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


3 × seis =