O deus fraquinho que precisa de um bonequinho para ser feliz

bonequinho

Antes de qualquer mi, mi, mi, gospel, minha análise é fria sobre uma letra de música burra, e nesse caso, desprovida de uma boa teologia.

Poderia ser uma crítica à música “hoje é festa la no meu apê…. vai rolar bundalêlê…., mas não é. A crítica refere-e à música Filho meu, supostamente escrita pelo cantor gospel Thales.

Nela encontramos um Deus fraco, que precisa demais da presença do filho que foi embora. O deus da música é tão carente que oferece promessas arquivadas para ter o filho de volta.

“Filho meu
Tá fugindo de mim?
Ja tentei, procurei e outra vez
Você me rejeitou, porta na cara doeu (…)”

“Eu acho que paguei
Um preço alto demais
Eu tenho tantas coisas
Pra viver com você
Promessas e promessas
Arquivadas te esperando, filho! (…)”

Esse deus não é o Deus dos judeus, cristãos, hindus, yorubás e você pode acrescentar a lista qualquer religião que você conheça, pois o que se pensa de um Deus, seja qual for a religião, é que ele está acima de qualquer coisa ou criatura.

Além de ser um deus de segundo nível, é um deus temporal, já que suas promessas não são eternas e precisam ser arquivadas ainda precisa viajar na memória, num flash back, para ver todas as vezes que o super-filho batedor de porta na cara o rejeitou.

Ele até chora, coitadinho, quando lembra de uma antiga oração que o filho soberano fez e chora pelas portadas que o filho poderoso lhe bate na cara.

“Filho meu
Tá correndo de mim, é?
Ontem eu me lembrei
De uma antiga oração
Que você fez no monte
Lembra filho? Eu chorei!

(Enquanto eu viajava nesse flashback)” (…)”

Do jeito que as coisas vão, o autor da música vai acabar dando um bonequinho para esse deuszinho, para que o pobre deus chorão se distraia e não perceba as tolices que dizem em seu nome.

Teologicamente falando, a letra é pobre. Mas quem pensa teologicamente para ouvir músicas como essa?

Comercialmente falando, é isso que parte, grande parte dos evangelicalistas querem ouvir e sentir. Um deus que está sujeito aos seus desejos, para que possa ser manipulado como um bonequinho bonitinho, e, sele ele chorar, basta dar um bonequinho pra ele ser feliz.

p.s.: Para quem não conhece a música: http://letras.mus.br/thalles-roberto/filho-meu/

Ouça por sua conta e risco.

 

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


− 1 = oito