O protesto dos médicos-digitais e da jornalista sem cérebro.

digitaljornalista

Que a saúde pública no Brasil está muito ruim, isso não é uma novidade. Não é difícil encontrar quem já precisou dela e encontrou tudo, menos saúde.

A novidade na saúde brasileira agora são os médicos estrangeiros. Com eles chegam não só uma oportunidade de muitos serem atendidos, mas uma oportunidade de reflexão sobre o que se fala contra a iniciativa do governo.

Se eu não tivesse posicionamento político e tivesse que escolher um eu seria ANTIPETISTA desde criancinha, logo, minha opinião aqui não é uma defesa à iniciativa do governo petista.

Acredito que a iniciativa do governo petista está incompleta. Antes de importar médicos, o que deveria ser feito é averiguar porque parte dos médicos daqui trabalham tão pouco e tão porcamente.

Para averiguar o quão pouco trabalham, basta ver a reportagem do SBT onde médicos flagrados na ilegalidade do ponto quase fantasma, mostra que estes recebem por cem horas semanais, mas não permanecem nem dez minutos no hospital. http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/08/26/medicos-batem-ponto-sem-trabalhar-em-hospital-do-interior-do-rio.htm

Agora se diz que uma sindicância será aberta e que enquanto isso os médicos estão afastados. O que parecer ser uma punição, na realidade será uma premiação, pois afastados, ganhando o mesmo salário, nem os dez minutos que tinham que ficar no hospital serão uma realidade na vida desses vagabundos, que são médicos só nas digitais que apresentam no relógio de ponto..

Para averiguar o quão porcamente trabalham, basta ver os casos de morte, remédios errados, mau atendimentos e tantos outros que já conhecemos através da mídia.

Em fortaleza, médicos gritaram “voltem para a senzala” contra os médicos cubanos que por lá chegaram. Se fosse em um pais sério, que entende que o racismo é crime, teriam sido presos por terem cometido um crime inafiançável.

A gritaria desses médicos só nos mostra uma coisa. O que eles temem não é  o fato de médicos estrangeiros estarem chegando no pais. O que de fato temem é que se exponha de vez a realidade de que os médicos estrangeiros trabalharão no mesmo local onde eles alegam que não tem condições de trabalho ou que sequer aparecem para trabalhar.

Para fechar de forma mais absurda essas manifestações contra os médicos estrangeiros, destaco a imbecil declaração da jornalista Micheline Bosta-Borges, que afirmou: “me perdoem se for preconceito, mas essas médicas cubanas tem uma Cara de empregada doméstica. Será que são medicas mesmo??? Afe que terrível. Medico, geralmente, tem postura, tem cara de medico, se impõe a partir da aparência…. Coitada da nossa população. Será que eles entendem de dengue? E febre amarela? Deus proteja o nosso Povo!”

Parece-me que esta cidadã não percebeu ainda que aparência não qualifica ninguém como bom ou mau profissional. Há pessoas vestindo trajes caríssimos lá no congresso nacional e no lugar de trabalhar pela nação, se encarrega de roubar a nação, prova de que aparência não faz um bom profissional.

Minha vontade e era dizer que esta jornalista imbecil tem mais cara de puta do que jornalista, mas se eu fizesse isso, estaria desqualificando aquelas que fizeram do seu corpo sua opção de trabalho. Não chamarei de anta, pois o pobre animal também não merece isso. Jumenta só dá trabalho quando empaca e não quando abre a boca. Na verdade, ela nem merece nome, merece ser chamada de sem cérebro, pois se tivesse, não falaria uma besteira dessas.

3 comentários

    • JAQUELINE em 29/08/2013 às 12:56 pm
    • Responder

    Como se não bastasse essa “jornalista” ainda mostrou o preconceito contra as empregadas domésticas (CARA DE EMPREGADA DOMÉSTICA).

    1. Como se profissão fosse medida pela “cara” do profissional.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


4 + = onze