Perdi a fé.

cruzcifrao

Eu perdi a fé.

Perdi a fé porque ela tinha ser perdida.

Perdi a fé nesse “cristo” que hostiliza, que briga com tudo e com todos e para quem nada presta. O “cristo” sem misericórdia.

Perdi a fé nesse “cristo” que não espera dos seus seguidores, o compromisso de negar a si mesmo e tomar a cruz cotidiana. O “cristo” dos descompromissados.

Perdi a fé nesse “cristo” pequeno que se vende pela oferta que será dada para que esse ou aquele programa não saia do ar. O “cristo” dos apostolados tolos.

Perdi a fé nesse “cristo” que barganha com seus seguidores e que fica de lado quando não atende exatamente aquilo que foi pedido. O “cristo” que é servo e não senhor.

Perdi a fé nesse “cristo” dos cultos marcados, que tem dia certo para ser o “cristo” da vitória, da fé, da família, da unção, dos sentimentos, do descarrego, dos empresários. O “cristo” que não é eterno, mas que é preso a dias das semanas.

Perdi a fé nesse “cristo”, cujos seguidores dizem amar o próximo, mas não se preocupa com o próximo que não tem casa, pão e vida. O “cristo” dos que tem tudo e não precisam de nada.

Perdi a fé nesse “cristo” que exige um pagamento de preço por uma graça que já foi paga e que é de graça. O “cristo” que não é suficiente em si mesmo.

Perdi a fé nesse “cristo” que não sacia a fome do faminto, na mata a sede do sedento, não hospeda o estrangeiro, não veste o nu, não visita o doente, não vai ver o encarcerado. O “cristo” que não segue a bíblia.

Perdi a fé nesses “cristos” que andam por ai, feitos por mãos de homens; conceitos de um tipo de “cristo” que não é o filho de Deus.

Graças a Deus e ao Cristo da FÉ Cristã, perdi a fé nesses “cristos” e deles não sinto a menor falta.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


× três = 15